‎"There are bridges on life's highway but we never see them there. Some cross troubled waters, some don't go nowhere"

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Happy face, sad face

Hoje numa dinâmica de grupo durante uma das cadeiras do meu curso, fui classificada por colegas como sendo alguém divertido, que está sempre a rir, sempre alegre, sempre a mandar as suas piadas e isto foi algo que me deixou a pensar. Aliás, é algo sobre o qual eu tenho vindo a reflectir e que me permite tirar algumas conclusões sobre mim mesma.
A verdade é que realmente é mesmo assim. Sou uma autêntica "palhaça", rainha das ironias e sarcasmos, mestre na bela arte de rir, sorrir e gargalhar. É assim que sou habitualmente, e é assim que sou vista. E sim disse bem, vista. Porque na realidade estou desfeita, e talvez a palavra "desfeita" seja pouco. Sinto-me espezinhada, com o coração e alma aos pedaços, com a cabeça na maior das confusões. Mas a verdade é que ninguém tem de levar com isso, ninguém tem de o saber, ninguém tem de o perceber. Estou assim, mas isso sou eu, não tenho de o passar para fora nem de o transmitir.
Para além de ser mestre no que acima referi sou também mestre do bom disfarce, e julgo que dificilmente deixará de ser assim. A minha maneira recatada, a minha mania de me fechar  a 7 chaves, é algo que está entranhado em cada parte do meu corpo e assim permanecerá.
Para quem me conhece superficialmente a minha mascara da alegria estará sempre posta. Para quem me conhece a fundo, não preciso nem falar.
Bom ou mau? Diria ambíguo. Mas que importa? Assim é, assim será.

Sendo dia de Halloween, não poderia deixar de falar em mascaras.

sábado, 20 de outubro de 2012

O valor das coisas, ou a falta dele

Às vezes a vida mostra-te que tens de seguir em frente. Ás vezes tens de engolir a dor, engolir todo o sofrimento, porque olhar para trás prende-te e não te deixa ver tudo o que tens à tua volta. Ás vezes há coisas que não controlas e, como tal, não tens capacidade para fingir, para parecer forte, porque na verdade estás frágil e destruída por dentro. Ás vezes percebes que há momentos e pessoas que não vão mais voltar e que inevitavelmente tens de aprender a viver com isso ao invés de reforçar as amarras e continuares presa ao que te magoa e te faz sangrar. Ás vezes dás por ti a pensar em tudo à tua volta e entendes que poucas coisas há que façam sentido, mas que dentro dessas poucas estão aquelas que realmente valem a pena. Aquelas pelas quais vale a pena continuares a lutar e preservar e aquelas que ainda que por mais que custe te fazem ainda sentir viva. Ás vezes não há mais nada a fazer e há vezes também em que não há caminho nem à esquerda nem à direita e muito menos atrás. Ás vezes percebes que só há um caminho, e que esse é única e exclusivamente para a frente. Ás vezes o valor vale pouco. Ás vezes vês que há coisas que não têm jeito, muito menos volta a dar.
Ás vezes amar não chega.

domingo, 14 de outubro de 2012

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Pequena crónica da dor que não mata, mas ameaça


A verdade é que não sei de mim. Pela primeira vez em um ano e três meses, estamos há um dia e meio sem falar, sem dirigir uma palavra. Só eu sei o quanto me dói, o quanto me estou a corroer por dentro e o quanto me apetece pegar no telemóvel e dizer-te o que quer que seja. Mas não posso. Não posso porque olhei para mim e percebi que este talvez seja o primeiro passo para me libertar de ti, para ganhar o tal amor próprio que eu há tanto perdi.
Não fui eu que errei, não sou eu que estou em falta contigo. E não sou, porque desde sempre, desde o primeiro dia te dei tudo. Tudo de mim, tudo o que tinha e para além disso, até tudo o que não tinha. Fui-te dada desde início como garantida, e foi por isso que sem saberes, me foste perdendo.
Sei que o orgulho não nos leva a lado nenhum, mas neste caso, que posso eu fazer se sempre que tento “chamar-te á Terra” tu não estas ou foges de mim?
Estou desfeita, não posso dizer que não o esteja porque estaria a mentir. O único factor que me faz sentir bem neste momento é o facto de saber que não te falhei em nada, nem por um minuto. A minha consciência está tranquila. Mas isso não chega.
Fosse a consciência tranquila um remédio para a dor. Fosse a dor motivo suficiente para se ser capaz de seguir em frente.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

"i'm sorry, i can't be perfect"

Não me apetece escrever. Não me apetece sair. Não estou com disposição para noitadas. Não estou com disposição para fazer algo que não me apetece só porque o devo fazer. Não me apetece falar. Não me apetece aturar pessoas que não me dizem nada. Não me apetece andar de um lado para o outro.
Não me apetece não ter paciência. Não me apetece estar assim.

Não me apetece...mas estou.

Música da Semana


Umas das minhas preferidas. Sia com "Soon we'll be found".

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

"Tua consciência não vai te deixar dormir..."

"...pois ninguém mais faz palhaçadas para te ver sorrir. Ninguém vai te abraçar para ver o sol se por, ninguém vai escrever no muro uma história de amor.Mas se mesmo assim você me deixar, as lembranças vão na mala para te atormentar."

domingo, 30 de setembro de 2012

Música da semana


No seguimento do post anterior, e de como é bom regressar a casa, Michael Buble com "Let me go home".

Home again

Há poucas sensações melhores que aquelas que se sente quando se regressa a casa. Estar fora, nem que seja por uma semana só, e voltar a cada fim de semana, entranhando os mesmos cheiros, os mesmos hábitos, o mesmo conforto de toda uma vida, é o melhor que se pode ter.


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

I'm back

E com o regresso à faculdade o tempo fica escasso para tudo. Entre praxes, caloiros, aulas, noitadas e conciliando com tudo o resto da vida pessoal, falta tempo para escrever, para descansar e até para pensar. O  que até nem é mau de todo porque quanto mais distraída andar mais abstraída ando daquilo que me incomoda.

Sabe bem estar de volta. Sabe bem voltar a respirar esta Coimbra dos Doutores. Sabe bem voltar a esta casa.


Música da Semana


Esta semana uma das músicas integrantes do fantástico novo albúm da Pink. Para ouvir e repetir.

sábado, 22 de setembro de 2012

Nunca fui um oito. Sempre fui oitenta


Um dia prometi-te amor eterno. E não te falhei. Prometi dar-te a vida, e dei. Não só a vida como também a alma. Prometi que viesse o que viesse, acima de qualquer coisa e muito até acima de mim, irias estar tu, e sempre foi assim.
Não falhei em nada do que te prometi e se eventualmente o fiz, perdoa-me, porque não estava em mim. Mas não acredito nisso. Acredito que o problema não tenha sido nunca a falta, mas sim o excesso. Excesso porque te dei tudo. Dei-te tudo e quantas vezes te dei até o que não tinha. Quantas centenas e centenas de quilómetros feitos, quantas horas de sono perdidas, quanto coração para tanto impasse, quanta paciência para tanta indecisão, quantas lágrimas, quantos sufocos no peito, quanta alma para tamanha entrega e dedicação. Foi tudo para ti. Tudo, para um dia nada ser reconhecido. Tudo, para um dia nada ser valorizado ou acima de qualquer coisa, respeitado.
Não te culpo porque sempre te habituaste a ter tudo desta forma, embora sempre tivesse a esperança que aprendesses comigo o que não aprendeste com mais ninguém.
Dizem que as pessoas mudam, que as coisas mudam. Sempre acreditei. Só nunca pensei que no teu caso a mudança fosse para algo que não entendo nem reconheço.
Ofereceste-me uma dor que não consigo mandar embora, apesar de sem saber bem como, conseguir ser a rainha do disfarce e não transbordar a maneira como estou desfeita e perdida por dentro.
Seria muito mais fácil se não estivéssemos neste impasse entre o “vai ou não vai”, entre o “continuamos ou ficamos por aqui”. Seria bem melhor para mim que chegássemos a um consenso. Porque deste jeito, nem me dás o que preciso, nem me dás “liberdade” para seguir em frente. E eu não sei o que fazer, a não ser engolir a minha dor, mascará-la e escrever incessantemente sobre ti, sobre coisas que trago cá dentro e não consigo explicar.
Eu prometi-te amor eterno, e podia amar-te por uma vida inteira, ou por duas se as tivesse. Tu não sabes como pegar nesse amor….Escondes-te.
Não tens culpa. O problema nunca foi a falta. Foi excesso.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Os "entretantos" em que te perdi


Já não é o que era, e muito dificilmente voltará a ser o que um dia já foi.
Há coisas que não percebes, mas no fundo o que mais me incomoda é que não as tentes sequer perceber.
Nunca te pedi para seres quem não eras, até porque caso o fizesses deixarias de ser a pessoa por quem me apaixonei um dia para passares a ser alguém estranho. Estranho a mim e a ti. E sempre fui vivendo bem com o que eras, retirando de ti o que precisava para me preencher e para ser feliz. O problema agora é que já não te reconheço de forma alguma e, embora te continue a amar com todo o meu ser, já não consigo tirar nada de ti. Já não me consigo “alimentar” em ti, já não te consigo respirar.
Não sei o que mudou, não sei o que te fez fechar-te em ti para deixares de perceber que não é só a tua vida que carregas nas mãos, mas sim a minha também. Só sei que no dia em que te fechaste, fechaste-me a mim também. E pior, fechaste-me num sítio onde não me consigo encontrar.
Gostava muito de me encontrar de novo, e gostava que te encontrasses juntamente comigo também. Mas não sei se será possível.
Muito se perdeu nos “entretantos” dos nossos desencontros. E acredita quando digo que não é por te amar menos que deixei de lutar. É por te amar mais e de mais. Mas sei que não posso remar contra a maré. Não se tiver de o fazer sozinha.
Receio bastante que tenha perdido o meu amor próprio à muito tempo em prol do meu amor por ti. E tenho medo que se não for capaz de o recuperar rapidamente, possa nunca mais voltar a tê-lo, e possa nunca mais voltar a ser feliz, como fui contigo.
Nunca ninguém se deveria dar ao luxo de dar alguém como garantido. No dia em que isso acontece, é precisamente quando se começa a perdê-lo.

domingo, 16 de setembro de 2012

Música da Semana


Gotye e Kimbra com a badalada "Somebody that i used to know". Porque me apetece. Porque eu estou assim.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Austeridade? Vão pra p*ta que vos pariu!

O nosso queridíssimo Governo subsidiou as touradas portuguesas no segundo semestre de 2011 com quase 10 MILHÕES DE EUROS (sim, leram bem, 10 milhões), segundo a lista publicada em Diário da República em Março deste ano. Uns singelos "tostões" que o Ministério da Agricultura atribuiu a uma data de famílias pançudas ligadas à tauromaquia.

Não há dinheiro para a ponta de um corno, cada vez mais f**em quem trabalhou uma vida inteira e não tem nem para comer, faltam apoios a estudantes, idosos, forças policiais, não há apoio nenhum para a Cultura Portuguesa e fecham a passo largo teatros e casas de cultura por falta de verbas e depois tem o descaramento e a lata de darem dinheiro a estes riquinhos assassinos, cujo único contributo que dão ao país é 0, promovendo a tortura em Portugal.

Eis a minha sugestão: Vamos todos começar ás estocadas uns aos outros até à morte, e pode ser que assim sejamos considerados artistas e recebamos uns subsídios chorudos. Era-mos capazes de ter bem mais sorte. Mas isso sou só eu a pensar aqui com os meus botões.

Viva a mim e à minha boca

Agora que reparo, tendo em conta os dois últimos posts, está extremamente evidente o quão saudável tem sido a minha alimentação nestes últimos dias.
Já parava de comer. Ou então já parava de escrever o que como.

(Não é por nada, mas aqui para nós, a segunda opção agrada-me mais)

A McBifana é boa que se farta

Já as batatas lá do McDonald's continuam uma merda!

E pronto, era só isto.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Panike emigrante

Uma pessoa ali a augar por um panike de chocolate e entre tirá-lo da travessa, embrulha-lo e pô-lo num saco, parecia que o panike vinha de França, mas a pé.
Quando quiser chamar a morte, mando-a vir pelo senhor do café.

Lovely Stuffs - Era um destes fachabore!




Estou feita em papa de tão derretida com estas coisinhas adoráveis e estilosas. Gosto de todos, mas o primeiro mata-me completamente.

Brace yourselves, os acéfalos estão a chegar

Outra vez...

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Amiguinha da amiga da outra amiga

As amiguinhas são as compinchas dos copos. São as mulheres da "cena", as mulheres das ajuntadas, da bebedeira, da euforia e as mulheres do éfemero. As amiguinhas são as fixes, as que se sabem divertir, as que vão para todo o lado, as que não perdem uma, aquelas a quem todos dão valor.
A amiguinhas não sabem o que é amizade real, não sabem o que é sinceridade, o que é ponderação, o que é genuíno. As amiguinhas trocam uma noite de conversa por uma noite de maluqueira, trocam a cumplicidade pelos grupinhos mal enjorcados.
As amiguinhas são todas muito amigas. Até ao (breve) dia em que as "comadres se zanguem" e deixem de ser amiguinhas outra vez.

E tenho dito.

Só para dizer que estou em modo "barro amaçado" e não me apetece fazer nada.

Música da Semana


Desta vez "Some Nights", a contagiante nova música dos FUN.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

ChatRoulette

Descobri o ChatRoulette. O ChatRoulette tem tanto de engraçado como de medonho. O ChatRoulette tem pessoas fofinhas e engraçadas. O ChatRoulette tem porcos e tarados.
Anyway, experimentem o ChatRoulette.

Gosto mesmo da palavra ChatRoulette.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Pressa

Ando com pressa. Pressa para comer, pressa para tomar banho, pressa para beber café, pressa para andar, pressa para chegar, pressa para fazer tudo. Sinto-me apressada. Não porque tenho horários para o que quer que seja ou porque tenha de ser. Só ando com pressa. Estou numa adrenalina constante e não consigo estar quieta mesmo querendo. Parece que ando a 7 cafés por dia, e que até para beber esses 7 cafés tenho pressa.

Ando com pressa. E escrevi isto à pressa.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Me, myself and my madness

Há algumas coisas que não percebo e todos os dias encontro novas perguntas para respostas que não encontro. Sou insatisfeita e inconformada por natureza. Não porque me falte o essencial, mas porque há sempre algo que me falha, há sempre algo que me fica por dizer, por escutar, por perceber.
Apercebi-me que toda a gente por aí usa de forma muito fácil aquelas bonitas palavras e frases feitas de que "só há uma vida e temos que dar valor e aproveitar cada dia como se fosse o último". Verdade certo? Mas mais verdade ainda, é que embora toda a gente pense assim, ninguém age dessa forma. Nunca ninguém aproveita um dia como se fosse o último, nunca ninguém tem a coragem de dizer o que precisa como se fosse a última vez que o pudesse fazer. Porque ninguém encara os factos, os dias e a vida como se fossem realmente os últimos. Não é assim. E é por isso que me sinto tão incompreendida e alienada de tudo o resto.
Tenho coisas para dizer até mais não, tenho coisas para mostrar até dizer "basta"! Se pudesse repetia-lhe todos os dias o mesmo só para provar o meu amor. Se pudesse provava-lhe que não há meio de desperdiçar ou de não se dar a atenção que alguém realmente merece porque amanhã pode já não haver tempo de o fazer. Tenho o peito cheio de tanta coisa que podia falar-lhe horas a fio. E o meu maior medo é poder ter que me despedir de sem lhe dizer nem metade.
Era muito bom se a frieza e a mania da superioridade não fossem tão maiores que a ideia de que amanhã há sempre outro dia.
Ninguém se devia achar tão importante, ao ponto de se dar ao luxo de desvalorizar os sentimentos e as palavras. Nem eu me deveria achar tão importante para estar a dar lições de moral a quem quer que seja.

Agora enquanto escrevo, tenho a sensação de não estar realmente a escrever nada. Parece-me a mim que estou a despejar palavras e pensamentos que ao serem lidos serão desprovidos de sentido algum.
E isto preocupa-me. Ou sou mesmo uma grandessíssima lunática, ou se não sou, para a loucura caminho.

Mas se for isso, que seja. Posso não estar cá amanhã. Que seja louca hoje.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Já dizia a minha tia...

(Pussy Riot)

Eis as palavras da Líder das Pussy Riot, uma das 3 condenadas a 2 anos de prisão por protestos contra Vladimir Putin numa Igreja Ortodóxa: "Apesar do facto de estarmos aqui fisicamente, somos mais livres que qualquer pessoa sentada à nossa volta... podemos falar o que quisermos…"
(Nadejda Tolokonnikova - Líder das Pussy Riot)

Quem diz a verdade, não merece castigo!

(E neste estado de opressão anda a Rússia)

Bagunça cerebral

Há sonhos realmente estranhos, os quais eu não consigo decifrar nem tirar deles nenhum proveito (a não ser a boa sensação durante esse mesmo sonho).
Sou do tipo de pessoa que sonha até se fartar e na grande maioria das vezes com coisas extremamente estapafúridas e estranhas, onde são protagonistas pessoas que eu nunca vi nem conheci. E gostava sinceramente de perceber o porquê de tanta agitação deste meu sub-consciente.
Tantas vezes acordo com aquela sensação de estar conectada a essas pessoas desconhecidas e tenho realmente vontade de as conhecer , em qualquer parte, em qualquer lugar.

(Não sei de onde vem tanta imaginação. Só sei que aquele sonho desta noite passada me andou a remoer a cabeça todo o dia).

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

mail do Contra(digo)

A partir de hoje deixo-vos à disposição o mail do blog, para que quaisquer interessados me possam contactar, sugerir, alertar, ou o que acharem por bem, e não o queiram fazer "publicamente" por comentário.

contradicoesdomauhumor@gmail.com

Disponham sempre.

sábado, 25 de agosto de 2012

Conclusões

Percebes que algo não está nada bem, quando começas a ficar feliz com qualquer pequena migalha que te dão.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Crónica dos 5 minutos

Olho para trás e vejo tanta coisa. Vejo-te a ti em outros tempos e ao ver-te a ti vejo-me a mim também. Os dias, os anos foram passando, foram correndo, e pouco foi o que ficou de tudo o que um dia foi. Ou pelo menos pouco ficou exactamente igual. Porque não és só tu nem eu que mudamos. O Mundo muda connosco, as pessoas mudam à nossa volta e isso é coisa que por mais que se queira, por mais força que se faça, não depende rigorosamente nada de nós e não há como o evitar.
A vida foi passando por nós, e nós, ficámos a ver e a deixá-la correr. E foi enquanto a vida corria que tanto se passou, que tanto voou ou tomou um rumo diferente. E é estranho. E é isso que ainda hoje me faz doer o peito ou me prende a respiração.
As circunstâncias que os diversos caminhos nos trazem podem ser traiçoeiras e inevitavelmente acabamos sempre por seguir o caminho mais fácil ou aquele que está mais à mão e não nos dá tanto trabalho. É legítimo. Mas para quem fica e escolhe o caminho mais complicado, dói sempre mais. E dói não porque haja arrependimento da escolha tomada. Dói porque além das consequências do trilho mais difícil, acaba-se sempre por arcar também com as consequências de quem escolheu o mais fácil. É uma ambiguidade estranha, mas real.
Eu não me importo de ter escolhido o caminho mais difícil, o caminho de quem fica, sabes porquê? Porque apesar de ser muito mais custoso, de ferir muito mais, eu posso ver o que é verdadeiro. Posso sentir realmente o que é dar valor a algo que verdadeiramente importa. Nem que por momentos esteja sozinha, não faz mal. Porque independentemente de tudo, prefiro carregar com tudo isso, abraçar toda essa realidade, do que viver numa constante euforia, numa constante fantasia de um Mundo que não é o meu e que espremido até ao fim não resta nada, ou resta pouco.
Viver na real nem sempre fez parte de mim e tantas vezes também já me perdi nesse teu/vosso Mundo de fantasia, de fachada. Mas quando realmente tudo ficou claro, vi-me obrigada a voltar a mim mesma, à minha realidade. E é isso que mais lamento. Que quem eu esperava não tenha voltado à realidade comigo.
A vida não pode nem ser sempre cor de rosa, nem sempre em tons de cinzento. Há um ponto de equilíbrio que nos separa da euforia temporária e da tristeza mórbida. A isso eu chamo o "ponto de encontro", porque é realmente aí que eu me encontro, que eu me acho, que falo comigo mesma e que observo tudo o que se passa à minha volta. Vejo muito mais o mau que o bom, muito mais o estado eufórico que o de ponderação e sobriedade.
Mas sei que de uma maneira ou de outra toda a gente um dia acorda para si próprio. Mesmo que leve tempo, mesmo que para isso não se acorde pelos melhores motivos.
Só é pena que ás vezes se leve tanto tempo para abrir os olhos para o Mundo. Mas mesmo tarde, será sinal que de uma forma ou outra, a vida tal como ela é, com todas as suas circunstâncias acabou por passar por nós.

A euforia é efémera. A vida real é outra coisa.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Nunca viram um monte de bosta com duas pernas a cavalo?


O excelentíssimo senhor cavaleiro BESTA Joaquim Bastinhas, é exactamente o exemplo do tipo de homens que são aplaudidos e vangloriados no nosso país. É estes que se dá tempo de antena, que se fazem entrevistas e que são um motivo de orgulho para o povo. Uma vergonha!
Este bord'amerda devia levar uns bons açoites para aprender a respeitar os outros. E não, ele não está a dar a sua opinião. Está claramente a ser ofensivo.
E é assim por causa de palhaços como estes a quem todos vangloriam que este país não tem jeito de andar para a frente.

(Peço por isso a quem me lê que partilhe isto o máximo possível e se mostrem indignados para que todos possam ver o tipo de pessoa que esta espécie de homem é.)

1+1

"De tanto sumar pierdes la cuenta, porque uno y uno no siempre son dos"

A boa educação também dá lucro


Por outro lado é muito mau sinal as pessoas precisarem de lucrar para serem bem educadas.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Abram alas, estou a caminho da fossa...de novo

Quando me cair a ficha isto vai doer. E começo achar que devia definitivamente apagar os finais do mês de Agosto do meu calendário. Não sei se é mau presságio, mas alguma coisa é.

(A roda que mais roda, é a roda da má sina)

That's the way that it is


(Im)compreensões

Eu juro, mas juro mesmo, que há momentos em que dava tudo para perceber o que vai na cabeça e na alma de algumas pessoas. Porque há atitudes que por mais que tente não as consigo encaixar, e o pior é isso ainda me incomodar quando já devia passar-me completamente ao lado.

(Se é verdade que ainda me incomoda, também é verdade que já me incomodou muito mais. E no fundo, é isso que me assusta.)

domingo, 19 de agosto de 2012

Música da Semana


Esta semana uma música do fim da década de 90. Sting com "Desert Rose" Um clássico.

Ora bem:

Se eu sou uma pessoa que sabe exactamente aquilo que quer, mas que ao mesmo tempo sabe também que aquilo que quero pode não ser o que me faz melhor, isso faz de mim o quê? Uma pessoa fiel ás minhas crenças e convicções, ou só mesmo uma parva teimosa?

sábado, 18 de agosto de 2012

Crónicas do meio amor

Não é possível que se ame a meio gás quando se ama verdadeiramente. Não pode haver um "assim-assim",  um "mas" ou meios termos. E é por isso que eu não te amo a meio gás.
Amo-te a tempo inteiro, com tudo e mais alguma coisa que isso implique.
Não é fácil amar-se a tempo inteiro. E é por isso que a maioria das pessoas em vez de amarem a tempo inteiro, amam o tempo inteiro a meio gás.
Não se pode amar de verdade sem se sentir que se preciso fosse se daria a vida por essa pessoa. Se não se sentir assim, não se sente de todo.
E perdoem-me o radicalismo, mas no que toca ao amor - no que toca ao verdadeiro amor -, ou é sentido assim ou então é um pseudo-amor, ou um pseudo-algo.
Orgulho-me imenso de te amar a tempo inteiro, de me entregar a ti a tempo inteiro, ainda que como em tudo na vida sempre hajam contrariedades e obstáculos. Mas a verdade é que quanto mais contrariedades vêm, mais eu te amo. E não paro de te amar. Nem por um minuto, nem por um segundo. Amo-te em cada vez que respiro, amo-te enquanto durmo, amo-te em cada coisa que faço. E em cada coisa que faço te vejo.

E assim, nesta sucessiva repetição de tempos inteiros, é como eu te amo.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

AH-AH-AH


Quem não percebeu, faça o favor de se actualizar aqui.

A insónia

É isto. Não se conseguir dormir e pensar-se em coisas estúpidas.
(Prometo que não é um post desprovido de sentido só para encher. Só me apeteceu partilhar a minha particular dificuldade em adormecer)

E agora que já partilhei, vou tentar dormir. Mesmo a sério.

O Ciclo

Acordar.Almoçar.Internet.Café.Vadiar.Internet.Fazer Exercício Físico.Ver a novela.Jantar.Café.Internet.Domir. (E repete)

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Qua qua qua

Mas porque raio é que agora gaja que é gaja tem de ter no facebook uma, duas ou mil fotos com duck face? A cara é sempre a mesma, só muda a roupa (e ás vezes nem isso) ou a posição do corpo.
É mesmo parvoíce ou falta de noção do ridículo?

(Vou ali ao espelho ver como fico com duck face. Ou se calhar é melhor não. Ainda calha gostar e depois é que eram elas. É melhor estar quietinha.)

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Tragam pipocas...

Está a haver discussão da feia com eventual desenvolvimento para porrada aqui mesmo à frente. Lá vou eu por-me à janela.

Estavas bem era pendurado num espeto

Ontem enquanto visitava uma feira de artesanato anual, dei conta de uma daquelas banquinhas de uma associação alusiva à luta contra o cancro da mama. Como de costume as voluntárias destas bancas dirigem-se às pessoas a fim de pedir qualquer tipo de contribuição para a instituição.
Já se sabe que isto de lidar com o público e de abordar as pessoas pode ser uma tarefa muito ingrata porque nunca se sabe quem se vai apanhar pela frente, mas a cena a que eu assisti ontem, foi de um comportamento absolutamente inqualificável.
Então não é que após a voluntária se dirigir a um indivíduo que passava explicando o que estava ali a fazer, aquela besta (é mesmo este o termo certo) responde virando costas: "eu nem tenho mamas!"? Dá para acreditar em tamanha brutalidade??
É que sinceramente eu nem sei o que é pior. Se é o grau de estupidez e falta de senso deste burro que não sabe que o cancro da mama não é um problema que afecta apenas o sexo feminino, mas também o masculino, ou se a tamanha falta de educação e labreguice. Não há palavras!
Subiu-me uma revolta por mim acima que só me apetecia pegar naquele labrego pelos colarinhos e espetar com ele contra um pinheiro. Podia ser que lhe conseguisse incutir um bocadinho de respeito pelos outros!

Porque apesar de achares que não tem mamas e que o cancro nunca te vai afectar, minha grandessíssima aventesma, o diabo tece-as e não sabes o que te espera no dia de amanhã!

domingo, 12 de agosto de 2012

Música da semana




Está semana, recuo um bocadinho no tempo e levo-vos até 1997, ano em que foi lançado este conhecidíssimo single dos Sixpence None the Richer de seu nome "There she goes".
Pessoalmente gosto muito, e é daquelas que quando esporadicamente passa na rádio me faz abrir um sorriso nostálgico e me traz a recordação de velhos tempos.

Obrigada pessoas fofinhas!


Pela paciência para mim e para ler as minhas parvoíces.
Voltem sempre, garanto que serão bem vindos a todo o momento!

Piada fácil


O Ministério Público costumava ter os documentos relativos à compra dos submarinos, mas o PSG comprou-os.

Uns são filhos da mãe, outros são filhos da piiiiiiiii

Hoje atravessei numa daquelas passadeiras enormes com semáforos que existem em praticamente todas as grandes cidades, a qual tinha um indicador de segundos em contagem decrescente com o limite de tempo para o peão atravessar.
Como já referi, a passadeira era enorme, e o tempo que era dado para a atravessar era de uns míseros 13 segundos. Ora, se tal feito com um infinito número de gente para atravessar já era difícil para um cidadão com uma locomoção perfeitamente normal, imagine-se como será para uma pessoa com qualquer tipo de invalidez, deficiência ou dificuldade em se deslocar rapidamente??
Na melhor das hipóteses, o sinal para os automóveis passa a verdade e uma pessoa fica ali no meio da passadeira e o condutor até tem a decência de continuar parado e deixá-la passar. Mas imagine-se que vem um esgazido qualquer lançado na estrada e apanha alguém pela frente?
13 segundos não passam a correr...passam a voar.

É por isso que eu digo que este país (que muito tem de bom), continua a ter muito de mau! E o facto de não se pensar nos outros e nas dificuldades que as pessoas possam ter, é sinal disso mesmo. Uma vergonha!

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

A vingança é um prato que se serve frio, já se sabe



Ora então as meninas Norte Americanas lá vencerem o Japão na final de Futebol Feminino dos Jogos Olímpicos de Londres.
A vitória por 2-1, deu a Hope Solo e companhia a medalha de ouro, atirando para a prata a equipa das pequenas enormes jogadoras Japonesas (actuais campeãs do Mundo), vingando assim a derrota do ano passado no Mundial, onde ambas as Selecções foram também finalistas.

Independentemente do resultado, tendo eu estado a torcer pelas asiáticas, dá gosto ver estas duas potências mundiais do Futebol Feminino em acção.
Que o Mundo inteiro ponha os olhos nestas senhoras!

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Habemus prata, da boa!


Os portugueses Fernando Pimenta e Emanuel Silva conquistaram esta manhã a medalha de prata nos 1000m de K2 nos Jogos Olímpicos a decorrer em Londres, conseguindo assim a primeira medalha para Portugal.

Orgulho, garra, força e ambição! Parabéns Campeões!

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Agora sim, agora não. Agora sim, agora não

Porque é que, particularmente na praia, quando está calor bradamos aos céus por um bocadinho de vento ou brisa, e quando está vento bradamos aos céus por um bocadinho mais de calor?

Que criaturas insatisfeitas.

domingo, 5 de agosto de 2012

Música da Semana


Porque pessoalmente adoro, e porque esteve esta semana em Portugal no Festival Sudoeste TMN.
Eddie Vedder com "Guaranteed", uma das músicas presentes na banda sonora do fantástico filme "Into the Wild".

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

A Garota está crescidinha

Fez ontem 50 anos que os génios Tom Jobim e Vinicius de Moraes deram a conhecer ao Mundo a "Garota de Ipanema", música essa que se viria a tornar nada mais nada menos, do que a segunda música mais ouvida de sempre.
É daquelas de uma beleza musical e com aquele cheirinho a praia brasileira, que por mais que se ouça nunca cansa.


E que verdadeiramente bela era a "Garota". Bem se percebe o motivo de tamanha inspiração.

(Helô Pinheiro, a "Garota de Ipanema, 1962)

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Eu sei que parece inveja, mas não é! Naaaaa

É uma injustiça tão grande! Não é que eu seja uma louca por bronze mas não me importava nada de ter um bocadito, assim pequenino, mais de cor. E anda por aí tanta gente quase preta, bem que me podiam dispensar um bocadinho de cor, não?

(Desconfio que se for andar por aí toda nua durante a noite, brilho no escuro)

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Agora mesm'a sério parte II

Ou então sou eu que são uma grandessíssima de uma paranóica que precisa urgentemente de internamento numa ala psiquiátrica ou de uma boa dose de chapadas na tromba para acordar para a vida.

Agora mesm'a sério!

Mas porque é que uma pessoa não chega à beira da outra pessoa e diz "estou farta, para mim não dá mais, quero seguir com a minha vida" ?? Sempre era bem mais fácil do que deixar uma pessoa a desesperar, cada vez mais presa e sem saber o que fazer, para daqui a meia dúzia de dias mandar uma pessoa dar uma volta na mesma, quando o podia ter feito antes.
Mas porque raio é que não se diz o que se tem a dizer de uma vez? Irra!!

Vou ali fumar uma e atirar-me ao rio e já venho.

Sem título é melhor, não vá eu ser demasiado agressiva

Hoje (re)descobri que a cobardia não tem idade e que tanto faz ter 15, 30 ou 50 anos, porque quando não há o mínimo de dignidade, é sempre muito mais fácil recorrer ao telemóvel do que se falar cara a cara com uma pessoa com quem se esteve à uma hora atrás.

Venham-me cá falar que a idade faz tudo. Eu cá continuo a achar que a idade não define maturidade e que há gentinha que há-de ser cobarde e acéfala a vida toda.

terça-feira, 31 de julho de 2012

Ela é que tem juízo!

Num dos programas televisivos desta tarde, o tema era "O que é namorar?" aos olhos das crianças.

Entrevistadora para uma criança de cerca de 10 anos: "Já namoras?"
Resposta: "Não, e nem vou querer namorar nunca"!

(Criança esperta! Tão novinha e já sabe tanto.)

segunda-feira, 30 de julho de 2012

"Nervosíte" aguda

Inspira, expira

Inspira, expira

Inspira, expira

Inspira, expira, antes que esganes alguém!

Do passado ao presente

Chega a ser perturbante como tudo muda, e em tão pouco tempo.
Tenho dado por mim em constante introspecção, pensando em tudo, principalmente no que já lá vai.
Olhar para trás, recuar dois, três anos, e lembrar os momentos vividos. A cumplicidade, a partilha, a alegria...até mesmo a tristeza. Tudo fruto de um grupo coeso, de pessoas unidas, de uma alegria imensa.
Depois olho o presente. E como é tão diferente este presente. Pouco deste tão recente passado se mantém, e não é que essas pessoas já não estejam mais aqui. Estão, mas de maneira diferente. Agora com outros interesses, outras prioridades, outra atenção.
Faz-me ter uma dorzinha fininha cá dentro. Uma dorzinha que me incomoda. Porque muito se perdeu, e é sempre triste ver-se ir perdendo aos bocadinhos pedaços do que já tudo foi e agora não é.

Felizmente para mim, continuam a haver pessoas fiéis. Pessoas que independentemente de tudo o que se foi vivendo até aqui, não descartam amizades de uma vida pela "novidade", por algo desprovido de sentido e completamente efémero.
A essas pessoas devo muito e sei que venha o que vier, a lealdade está acima de qualquer coisa, de qualquer preço.

(Como se costuma dizer: (muito)"poucos, mas bons")

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Watch and learn!

(A internacional Francesa Thiney frente a frente com  internacional Norte Americana e melhor guarda redes do Mundo Hope Solo, ontem, no jogo França 2 - 4 EUA)

Para os que não dão nada pelo desporto no feminino, para os que ainda dizem "jogas como uma menina", para os que criticam, não apoiam, não dão valor, discriminam e desprezam, vejam e aprendam!
Para quem gosta, reconhece valor, e não teve oportunidade de ver ou até já viu, reveja!
Para os que não têm conhecimento, e nunca viram, nunca é tarde de mais, vejam agora e apreciem!

Aqui fica a compilação de todos os golos marcados ontem nas primeiras partidas dos Jogos Olímpicos - Londres 2012, na categoria de Futebol Feminino.


É simplesmente de sonho!
(O festejo das internacionais Brasileiras Fabiana, Cristiane, Maurine e Marta da Silva, após o 4º golo frente à Selecção dos Camarões) 



(Luta pelas Mulheres no Desporto! Discriminação, NÃO!)

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Das coisas vergonhosas!

Isto vai de mal a pior!
Numa altura em que, infelizmente, a intolerância e o desrespeito ainda reinam, ainda me consegue espantar, como certas figuras públicas que mais que ninguém deviam ser a cara e o exemplo das boas causas e do respeito pelo próximo, uma vez que são seguidos por milhões de pessoas, ainda tenham certo tipo de comentários e pior que isso, mentalidades deste género.
À sensivelmente 15 dias, o futebolista internacional Italiano António Cassano foi multado, e muito bem, em 15 mil euros por em pleno Euro 2012 quando confrontado com a possibilidade de 2 jogadores da Squadra Azzurra serem homossexuais ter respondido prontamente  "Se são maricas o problema é deles. Mas espero que não sejam". Comentário este, claramente homofóbico e desrespeitador.

(Antonio Cassano, internacional Italiano de Futebol)


Ora esta semana, sai a noticia de que a Triplista grega Voula Papachristou lançou a indignação no seu Twitter pessoal quando postou a gracinha de que "Com tantos africanos na Grécia....No mínimo os mosquitos no Nilo Ocidental irão comer comida caseira". Este comentário racista valeu-lhe nada mais nada menos do que o seu afastamento dos Jogos Olímpicos que tiveram início hoje em Londres. 

(Voula Papachristou, Triplista Grega)


Isto leva-me a perguntar em que Mundo vivemos nós? Que pessoas estamos a formar? Que mentalidades corroídas são estas?

Aqui está a prova de que racistas, homofóbicos, xenófobos e todo o tipo de pessoas preconceituosas, desrespeitadoras e sem princípios, só têm a perder, e ninguém mais está errado para além de elas próprias.

(RESPECT)


Crónicas da madrugada (O Jet Lag)


Isto de estar de férias da faculdade, é uma coisa que deixa uma pessoa muito descontrolada. Sem aulas, sem trabalhos, sem frequências, sem exames, sem estudo e sem rotinas, o corpo de uma estudante vira do avesso mostrando ser bipolar.
Até aqui se era difícil acordar para as aulas da manhã, agora difícil é conseguir adormecer antes do padeiro vir pendurar o pãozinho aqui à porta. Pãozinho esse, pois claro, que eu só como quase ás duas da tarde devido a por este motivo, não conseguir levantar-me a horas decentes. O meu organismo anda a modos que meio louco.

A viagem faculdade-férias, pôs-me a sofrer de jet lag psicológico.

(E quem pensa que me estou a queixar, engana-se)

domingo, 22 de julho de 2012

Para ir e um dia voltar


Este ano, nas minhas férias de praia que se avizinham, vou lançar ao mar uma garrafa com uma mensagem, ao estilo filme romântico rodado nas dunas de uma praia qualquer.
Ainda não sei o que vou escrever, mas apetece-me. E se me apetece, é o que vai ser. Na mensagem incluirá  o meu nome ou qualquer coisa que me identifique...

(....e assim, quem sabe um dia, daqui a muitos anos, ou talvez na semana seguinte, alguém a encontre. Talvez possa fazer sorrir alguém do outro lado do mundo, ou na outra ponta da praia. Talvez um dia seja recordada por quem a encontrar. Talvez um dia deixe intrigada quem ler o que escreverei.
Ou então talvez ninguém a encontre. Talvez não faça sorrir ninguém. Talvez não seja recordada e talvez não venha a intrigar ninguém.)

Talvez seja esse o propósito de o querer fazer. Não saber o que se vai suceder, sucumbir à incógnita.
Talvez este amontoado de "talvez" seja o meu motivo.

Música da Semana



Esta semana, "For you" na voz de Angus and Julia Stone. Julia, que tem uma das vozes mais invulgares e doces da actualidade.

("I'll tell you what you already know. Here I go")

sábado, 21 de julho de 2012

Desagradável é

Adormecer com uma tremenda dor de cabeça.
Mais desagradável ainda é acordar com a mesma dor de cabeça.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Isto é a sério? Ou de como há grandes latas que cabem em certas pessoas de "etiqueta"

Ora estava eu descansadinha a beber um café depois de almoço, como faço todos os dias no sítio do costume, quando um determinado senhor, aparentemente muito fino e acabadinho de sair do restaurante "finesse" ali do lado, entra café a dentro e se dirige ao balcão. Nada espantoso, e aparentemente normal. A história muda quando o tal senhor se dirige ao P., dono do café e diz "olhe desculpe dá-me um guardanapo?". O P., muito atencioso lá deu o guardanapo ao senhor, ao que logo de seguida este responde: "Muito obrigado, era só para me assoar!" e sai porta fora.
Eu e as restantes pessoas ficamos tão pasmadas a olhar umas para as outras, quem nem um zumbido se ouviu.

É que eu nem sei se aquilo foi só lata ou mesmo falta de noção.
Consumir algo no café? Pouco chique! Ir pedir um guardanapo para se assoar? Serve.
Para manter a pose, tinha trazido o guardanapinho de pano lá do sítio onde almoçou , sempre era mais macio.

Como diria a M., "Por Deus filho, por Deus"

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Vão lá dar uma voltinha com os estereótipos se fazem favor






Digam lá o que disserem e preconceitos à parte, na minha opinião, homens com mala é de uma autêntica noção de estilo e bom gosto.
Pena o preconceito ainda ser a base de muitas opiniões.

(Open your mind)

terça-feira, 17 de julho de 2012

No beginning, no tomorrow

(If you felt the way I feel
I bet you'd be in as good a mood as I am
But you don't, so you just feel like you)

(Se te sentisses como eu me sinto, aposto que estarias com um humor como o meu. Mas tu não estás, então sentes-te justamente como tu és)

domingo, 15 de julho de 2012

Música da Semana


Esta semana partilho convosco a música "Red and Blue" das The Cliks.
Da letra retiro esta passagem que deixo para reflexão: "I'm not changing for anybody else, 'cause every time I do it's seems I lose myself".

Venham cá então multar-me que eu já vos digo o que se faz a gente sem carácter!

(É que só mesmo neste país, é que se multa alguém por alimentar animais abandonados!
Não sei se tiveram conhecimento da notícia de um cidadão reformado em Junho ter sido multado na modesta quantia de 995€, por apesar da sua (miserável) reforma de pouco mais de 200€, ter a bondade de alimentar cães abandonados que andam à sua porta.
Isto é simplesmente de loucos! Não há palavras sequer!)

Ora, à minha porta andam estes 6 adoráveis gatos! A Tita, que é cega de um olho, a Balofa, o Macaco (que não está na foto), filho da Balofa e os mais pequeninos Gaspar, Xico e Salomé, filhos da Tita.
Pois eu alimento-os todos! A eles e ainda ao Zinho, um cão que foi abandonado porque cresceu e para os donos deixou de ter piada.
Faço-o porque sou louca por animais e porque não sou capaz de ver que passam fome, que são mal tratados e escorraçados. Não nado em dinheiro nem nada que se pareça, mas quando se tem coração, algo se arranja sempre, basta querer!

Por isso se vos parece, tenham a infeliz ideia de me vir bater à porta um dia! Da minha comida e do meu dinheiro, sei eu, e do que faço com ele também!

(Cambada de sem vergonha)

sábado, 14 de julho de 2012

Porque isto as vezes cansa. Oh se cansa!

E foi assim, depois de (mais) uma bela cabeçada que, nesta madruga de 13 para 14, decidi tomar uma atitude.
A burrice tem limites, e a falta de amor próprio também.

(Rise up)

quinta-feira, 12 de julho de 2012

A Ti. A Nós

Sei exactamente onde tudo começou, quando tudo começou, como começou, o que tinha vestido quando começou. Lembro-me que (até então) não acreditava em amor à primeira vista, coisa tão à Hollywood.
Não foi de repente que te vi. Fui-te vendo. Aos poucos. E a cada "pouco" que passava, mais tinha a certeza que ali, naquele exacto momento, naquela exacta hora, estava à minha frente o amor da minha vida. Tu sorriste, e a partir dali, também eu comecei a sorrir para o Mundo.
Hoje, e quase um ano depois, parece que tenho partilhado contigo uma vida inteira. Digo vida porque é assim mesmo. A vida mostra-nos as coisas boas, as menos boas, as más. Mostra-nos a felicidade, a partilha...a dor. E assim tem sido o nosso amor...como a vida.
Posso garantir que não deixaria de fazer nada do que fiz, porque fi-lo por ti. E se foi por ti, valeu a pena, mesmo que ás vezes saiba a pouco a recompensa por tudo o que se dá.
Não vou dizer que  foi contigo que aprendi a dar valor porque sempre soube dá-lo, por todas as circunstâncias da minha vida antes de seres parte dela. Mas posso dizer que foi contigo que aprendi verdadeiramente a abdicar de mim em função de alguém. E custa por vezes por em causa se devia ter abdicado tanto. Mas talvez faça parte. Talvez os momentos menos bons sirvam para isso mesmo. Para duvidarmos e posteriormente encontrarmos respostas.
A verdade é que já não sei o que é ser eu. Não sem te ter comigo. E isso preocupa-me. Porque não é possível abrir-se mão de alguém que se ama mais que à própria vida ou pensar sequer na possibilidade de um dia poderes ir embora e dizeres-me adeus. E preocupa-me porque se esse dia chegar, tudo o que é meu vai contigo. E tenho medo...tenho medo de não me voltar a encontrar.

Gostava que entendesses. Gostava que soubesses o quanto este amor me corrói. Gostava que percebesses porque dói tanto quando algo me incomoda, e porque me sinto a morrer cada vez que estás longe de mim. Gostava de tudo isso. E gostava de não ser assim. Porque não me vejo sem ti...e se um dia me falhas, falhar-me-á também o ar.

Amanhã talvez os teus olhos me venham fazer perguntas, quando perceberes tudo o que tenho feito por ti, por nós.. E talvez eu te explique. Ou quem sabe te confunda ainda mais.
Porque embora eu não tenha resposta para tudo, o que sei, é que nunca deixarei de te amar.

A ti, meu amor.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Really?


Eu não sei se ria ou se chore!
Mas que raio de paragem cerebral deu à Sofia Aparício??

Alguma alma caridosa que lhe dê corda ao cérebro a ver se volta a funcionar.

Uiii

Os Florence and The Machine cancelaram a sua presença no Optimus Alive, festival que arranca já esta Sexta feira. Tal se deve ao facto da querídíssima Florence Welch estar com problemas nas cordas vocais o que a impossibilita de cantar.
É uma pena, visto que era um dos concertos mais esperados do Verão, mas não havendo nada que se possa fazer, só resta desejar-se rápidas melhoras para a Florence, porque uma voz celestial daquelas não é para estragar!!

terça-feira, 10 de julho de 2012

Era correr a senhora à chapada!

Esta adorável deputada do CDS/PP, de seu nome Margarida Netto, veio defender publicamente na Assembleia da Républica a tortura de Touros e Cavalos em Portugal.

Sem me querer alongar muito na minha indignação, era vê-la toda espetadinha e com um belo coice na cara!
Que consolo!

STOP Bullying!

Parece impressionante, mas o flagelo do bullying aumenta dia após dia e parece quase impossível por-se um travão. Estima-se que 40% das crianças portuguesas sejam vitimas todos os dias de acções violentas quer físicas ou psicológicas deixando marcas irreversíveis.
São números impressionantes e chocantes para um país tão pequeno como o nosso e não há dia em que não se tome conhecimento de novas histórias de violência. Basta um pouco de pesquisa para conhecermos casos impressionantes de depressões e até mesmo de suicídio por todo o Mundo por parte das vítimas de bullying!
É preciso que se dê um basta, e em casos como estes são sempre preponderantes as chamadas de atenção e mensagens de figuras públicas aclamadas e respeitadas por multidões. Exemplo disso é esta música e videoclip de seu nome "No Love" feitos pelos rappers Eminem e Lil Wayne, onde abordam claramente o tema.

Mesmo quem não gosta de Rap/Hip-Hop, aconselho a darem uma vista de olhos no clip e também na letra. Pode ser um grande "abre olhos".

(It's a little too late to say that you're sorry now, you kicked me when I was down but what you say just don't hurt me, it don't hurt me, no more)

domingo, 8 de julho de 2012

Vamos divulgar!!

Até que enfim se vêm progressos na divulgação e sensibilização a nível do futsal/futebol feminino em Portugal!
É triste que em tempos tão actuais exista um desconhecimento de tal maneira grande, de modo a que ainda muita gente não saiba sequer que estas modalidades também se praticam no feminino com uma qualidade imensa e até que existem as respectivas Selecções Nacionais.
É infindável o numero de meninas e raparigas que sonham jogar, e se vêm impedidas de o fazer quer por proibição das famílias, quer por falta de clubes nas proximidades das suas residências e para além disso pelos ainda existentes preconceitos e estereótipos associados à práticas destas modalidades por raparigas.

É no seguimento desta luta que "O Jogo Das Raparigas" (Projecto de combate à invisibilidade e às desigualdades da participação das raparigas e mulheres no futebol e futsal), veio hoje anunciar a transmissão de uma publicidade institucional de sensibilização na RTP1:


"A partir do próximo dia 10 de Julho e até ao dia 16, vai passar na RTP1 publicidade institucional "O Jogo das Raparigas" com o objetivo de sensibilizar as famílias para a prática de futebol/futsal por parte das jovens raparigas. O Spot tem a participação de Pedro Pauleta e Catarina Furtado. 


Eis os dias e as horas previstas de inserção:
10 de Julho a 13 de Julho – Entre as 10hrs e as 11hrs
10 de Julho a 13 de Julho – Entre as 15h45 e as 17 hrs
14 de Julho de 2012 – 22 hrs junto ao programa “Com amor se paga”
16 de Julho – Entre as 10hrs e as 11hrs
16 de Julho - Entre as 15h45 e as 17 hrs"



É com alegria que se dá mais um passo em frente no progresso do Futsal e Futebol Feminino em Portugal! E fica a esperança que cada vez mais daqui para a frente seja dado o devido valor ás nossas atletas que só querem poder fazer aquilo que gostam e mostrar o seu talento e valor!

Música da Semana

Esta semana, e no seguimento da minha última publicação abordando a qualidade escondida que por aí anda, partilho convosco um  talentoso rapaz que tem trabalho muito e lutado por visibilidade e ascensão com o seu projecto o solo. Cantor e compositor, conta ainda com inúmeros covers de músicas de grandes artistas.

Assim deixo-vos hoje com  o Miguel Cruz e o seu original "Snowfall", apelando para que ouçam o seu trabalho e apoiem este grande talento que tem muito para dar.

Força Miguel!

(http://miguelcruzsolo.blogspot.pt/)

Da decadência a que se chegou


Independentemente da resposta, o facto é que ela realmente emagreceu, e muito. E esta é a prova de como o ramo musical está cada vez mais viciado, e onde cada vez mais o que vende é a imagem e não o verdadeiro talento.
É triste ver tanto valor desperdiçado, tantos grandes artistas e grandes vozes que não têm meio de crescer por falta de apoios e visibilidade, enquanto que outros arrastam milhões e multidões apenas por serem "pretty faces". Ao ponto que chegou o comércio da música.

A verdade é que todos podemos fazer um pouco pela mudança, e o primeiro passo é começar a dar-se valor  ao que realmente é de qualidade!

sábado, 7 de julho de 2012

Das coisas boas da vida

E foi assim que se passou hoje um belo fim de tarde e noite, numa das fantásticas praias do Norte.
Nada melhor do que um jantar à beira mar e em boa companhia para me despedir destes últimos dias tão bem passados.

Invicta, até (muito) breve.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

The one

Quando tudo parece sem controlo, sem nexo e a desmoronar, vens tu. És sempre tu! E basta estar contigo, basta sentir-te de novo nos meus braços, ter-te ao meu lado, para me sentir em casa de novo.
Tu és a minha casa, e não deixará de ser assim por mais tempo que passe. Abres-me as portas, devolves-me o ar e volto a respirar.
Por isso que sei, por isso que sinto que por mais adversidades que a vida nos vá trazendo, há coisas que nunca hão-de mudar. Pelo menos para mim, será sempre eterno, será sempre nosso.                    

A cada momento trazes-me luz meu amor, amor da minha vida.


("cause even if you break my heart and even if you make things wrong, you will always be the one, you will always be my love")

Antes que assuste quem me visita...

Reparei que tenho feito deste meu tão recente blogue um muro de lamentações e de facto a minha ideia inicial não era de todo esta, nem tão pouco a minha intenção.
A verdade é que por vezes é difícil lidarmos com os nossos problemas e contratempos, e tantas vezes a melhor maneira de nos libertarmos de todo esse lado negro, é escrever e partilhá-lo com quem possivelmente irá entender e rever-se um pouco em tudo o que digo. Para além de que se é um espaço pessoal e criado por mim, deverei à partida fazer uso dele da forma que melhor entender.

Mas por outro lado também sei que de tristezas está o mundo cheio, e ninguém precisa de mais um sítio onde só encontra dilemas e choques sentimentais ao inverso de um local onde se possa descontrair um pouco.

Por isso, daqui lanço assim um pedido de desculpas e esperar que a forma como tenho utilizado este espaço não afaste quem me tem vindo a acompanhar e a visitar.

Grata pela compreensão,
F.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Dos filmes

Este é daqueles que nos faz perceber claramente que os nossos problemas por vezes não são assim tão grandes e que basta olhar para o lado para perceber isso mesmo.

Aconselho vivamente!

Questionando


E o que é que se faz quando já nada parece suficiente?

terça-feira, 3 de julho de 2012

Lovely Stuffs


Aqui vou eu

Acho sinceramente que uns dias fora da rotina em que tenho vivido desde que estou oficialmente de férias, só me vão fazer bem. Mudar de ares, rever coisas, rever a(s) pessoa(s), rever o que à uns tempos não ponho a vista em cima.
Quantas e quantas vezes o que apenas precisamos é de mudar...nem que seja uma hora da nossa vida.

("Don't do the same thing expecting a different result")

.

Das coisas que mais custam, é não ver retribuído o tanto que se dá, não ter metade da entrega e da vontade que nós damos a alguém. É de um desespero e de uma angústia demasiado grande. Pensar que daríamos a vida por alguém e do lado inverso nem uma ponta de esforço se ver.
Mas no meio de tanta coisa, o que dói mais ainda é a indiferença.
Sentir uma desilusão tão grande por parte de quem esperamos tanto e de quem tanto precisamos, deve ser dos maiores nós na garganta e apertos no peito que podem existir.

(Acho que o que acabei de escrever não tem sentido nenhum, e tão pouco está perceptível. Porque se há coisa que por mais que se queira explicar fica muito aquém das palavras e das explicações, esta é uma delas...a desilusão.)

Perdoem-me o desabafo.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Sabem aquelas saudades...

capazes de matar uma pessoa? Eu cá sinto-me embriagada de saudades, diria até daquele tipo de embriaguez de se a andar a arrastar pelo chão e de se ir no INEM para o hospital. Estou oficialmente em coma alcoólico...de saudades!
É que dói tanto, não dói? Dói tanto estar longe de quem se quer mais que à própria vida. É um sufoco constante, o sentimento de vazio, de quem se sente incompleta a tempo inteiro.
Mas é tudo isto, é toda esta revolução interior que nos prova e nos mostra o valor e a imensidão das coisas. Que nos prova que o que é verdadeiro, o que é forte e arrebatador, resiste a qualquer obstáculo, a qualquer contratempo.
Por ti, vale tudo a pena!
Estou quase a caminho, meu amor.

Das coisas geniais

Se há anúncios televisivos que para além de irritantes são totalmente descabidos, há outros que são de uma genialidade fenomenal. Este novo da rede de comunicações Optimus, está qualquer coisa! Tem tanto de hilariante, como de extremamente bem feito, sem descartar o mais importante que é o destaque ao interior de Portugal. O Portugal despovoado, desconhecido e desprezado pela maioria.
Vejam e deliciem-se!

domingo, 1 de julho de 2012

Música da semana

(Cover acústico da música Payphone dos Maroon 5, pela voz de Alex G)

Um conselho de uma alma atormentada e mal humorada

E escutem minha gente, se eventualmente acordarem de manhã e o dia vos começa a correr logo mal, não se levantem. Mas mesmo!
Há dias que seria bem melhor hibernar até ao dia seguinte, até à semana seguinte, ou até mesmo ao mês seguinte. É que já não há paciência nem coração para levar com tudo em cima. E quando digo tudo incluo maus humores alheios, loucuras alheias, paragens cerebrais alheias e tudo mais que seja alheio.
Por mais calma que uma pessoa seja, por mais cabeça que se tenha, há limites para tudo. E eu sinto que cheguei ao meu, à muito tempo.

sábado, 30 de junho de 2012

Das coisas que eu gosto

Ao contrário da maioria dos blogs que acompanho, e que diga-se de passagem adoro, não vou postar por aqui os modelitos da Zara, o sapato e vestido da moda, o verniz e a maquilhagem, nem nada dentro do género. Não porque não goste mas porque não uso nem faz parte do meu estilo pessoal.
Eu sou das Vans, da calça pelo tornozelo, do chapéu na cabeça e do belo do óculo de sol vintage, ou por outras vezes, da calça mais larga e do estilo casual. E é de facto disso que eu gosto!

(E se um dia tiver um filho, é assim que o vou vestir. oh yeah!)



Das coisas profundas

E é o que eu digo sempre: Não me tentem perceber quando eu própria demorei tanto a fazê-lo!
Não que me considere complicada, apenas provavelmente tenho uma maneira diferente de ver as coisas, de sentir ou actuar.
Quando me tentava perceber, antes de ser perceptível até para mim, acabava embrulhada num emaranhado de pensamentos e naturalmente sentia-me presa...metafóricamente amarrada em cordas compridas e de várias idas, de onde de facto me queria libertar.
Mas aí, surge a vida! Surgem acontecimentos, factos, pessoas, que tão simplesmente nos fazem interiorizar e perceber onde estamos, o que queremos ou para onde vamos.

Por isso, e voltando a repetir, não me tentem perceber! E muito menos me julguem. 


(Se há coisa que odeio solenemente é que me julguem, porque quem não se percebe a si próprio, dificilmente pode perceber os outros! E aí, perde o direito de julgar.)

Ter um blog dá trabalho...

E eu acho que sou demasiado preguiçosa para ter um, mas vamos ver no que isto dá!
Se eventualmente ferir quaisquer susceptibilidades com as minhas futuras postagens, será sem intenção. Ou então não!
A partir de hoje, vá passando e vá voltando porque eu não mordo. Só ás vezes!

Prazer, eu sou a F.